X

0 Comentários

Críticas

Logan

Os mutantes também amam: desenho de aproximação de um mutante com um humano tentando proteger a família

Por Luiz Joaquim | 05.03.2017 (domingo)

logan
Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this page

Há uma forte e explicativa fala de um envelhecido e cansado Logan – ou Wolverine, ou James Howlett (Hugh Jackman) – dita por ele a uma garotinha com cerca de dez anos, Laura (Dafne Keen), a quem ele protege no filme Logan (EUA, 2017). A tal fala gera uma empatia imediata no espectador, mesmo naquele leigo em assuntos de super-herói, e pode até, talvez, gerar auto-identificação com o infeliz mutante da Marvel.

Logan diz a Laura algo como: “Fique longe de mim. Eu sempre machuco aqueles de quem me aproximo”. Há também outra, quando ele lhe explica o que acontece em seus sonhos ruins: “Eu machuco os outros”.

Isso é, desde já, um boa dica de o porquê Logan, o filme, vir arrebatando não apenas o fãs da fera protegida pelo Professor Xavier (Patrick Stewart) desde que a produção entrou em cartaz no última quinta-feira (2/3).

Além da óbvia estratégia marqueteira das produtoras Marvel e TSG em alardearem que esta será a última aparição de Jackman como Wolverine (coisa que pessoalmente duvido) – provocando polvorosa nos séquitos do HQ -, Logan tem também elementos que podem conquistar os, digamos, ignorantes no assunto por um certo desprendimento do enredo (mas não absoluto) com o esquematismo simplório dos filmes desse gênero.

O roteiro feito pelas seis mãos de Mangold, Scott Frank e Michael Green (este último sendo o nome a ser destacada do trio) traz uma rara circunstância para os filmes de super-heróis dos últimos 20 anos.

Ele dosa num equilíbrio feliz e convincente a tentativa do herói aqui em fugir da violência (e não ir atrás dela), mas tendo de enfrentá-la o tempo todo, somado ao triste infortúnio humano (veja bem que uso a palavra “humano”) destes mutantes no ano de 2029, cansados de uma vida irregular, tendo Logan que constantemente e sozinho proteger o nonagenário e mentalmente instável Xavier, além da intempestiva garotinha Laura. É, enfim, um filme sobre um herói que não quer ser herói, mas precisa sê-lo para proteger uma figura paterna e outra infantil.

No quesito violência, a que é mostrada em Logan é plasticamente incômoda pois é registrada sem o pudor com o qual Hollywood vinha habituando os nossos olhos nas últimas duas décadas ao mostrar seus seres com poderes especiais que vestem roupas apertadas.

Nesse sentido, é incrível a solução fotográfica e de montagem dada para as cenas de luta protagonizadas pela ótima pequena Dafne Keen. Quando ela está em cenas de luta, com o rosto em primeiro plano, a vemos atacando alguém e só entendemos o todo da violência pela montagem e não pela inclusão da vítima no mesmo quadro em que vemos o rosto da atriz em foco.

Voltando à estrutura do enredo, não há dúvida que Michael Green – roteirista mais experiente do trio e calibrado em adaptações (assinou Mentes que brilham, 1991; Irresistível paixão, 1998; Minority Report, 2002; O intérprete, 2005) – foi o responsável pela tinta que aproxima a derradeira aventura de Logan com o espírito do western, o gênero cinematográfico norte-americano por essência, que nunca deixou de gerar derivações maravilhosas (uma outra recente é A qualquer custo).

 

Apesar de não haver sutilezas no caso de Logan – uma que vez que no filme vemos cenas de Os brutos também amam (1953, de George Steavens) ganhando destaque por uma “sessão da tarde” vista numa tevê por Xavier e Laura –, a apropriação do gênero é bastante feliz, tanto na estruturação da aventura de Logan quanto na apropriação de uma fala inteira do personagem Shane (Alan Ladd) que é dita ao garotinho Joe (Brandon De Wilde, vejam só, na época aos dez anos de idade). Sendo em Logan a “ordem de descanso” da fala sendo invertida na dupla de personagens.

Outro contexto lúdico no filme, como uma espécie de carinho aos fãs dos X-Men, reforça, pelas palavras do Professor X, que as coordenadas do lugar seguro para onde Logan precisa levá-lo com Laura, ainda que tenha sido criada para uma história em quadrinhos, precisa ser levada à sério porque “Laura acredita nisso”. E isso precisa ser respeitado. Assim como os fãs de Wolverine (ou de qualquer outro super-herói) lhe admiram, e isso precisa ser respeitado, por mais exagerado que possa parecer.

Uma última observação diz respeito ao quanto Logan é um filme de seu tempo. Temos aqui mutantes latinos, fugindo dos algozes para ultrapassar uma fronteira (a dos EUA para o Canadá) e lá finalmente encontrarem a paz num lugar o qual identificam como Éden.

Acho que podemos encerrar por aqui para que você vá (re)ver Logan.

Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this page
Fields marked with an * are required

assine e receba
novidades por email

Mais Recentes

Publicidade