X

0 Comentários

Artigos

Mostra “Espelho brasileiro” cancelada do Cine-PE

Em função da nova data do 21º Cine-PE, o crítico de cinema Luiz Joaquim não irá participar do festival.

Por Luiz Joaquim | 05.06.2017 (segunda-feira)

Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this page

*na foto acima, cortesia de Arthur de Souza, o crítico de cinema e editor do CinemaEscrito.com, Luiz Joaquim.

“Carta aberta

Recife, 5 de junho de 2017

Com a nova data de realização do 21º Cine-PE: Festival do Audiovisual, apontada para acontecer entre 27 de junho e 03 de julho de 2017, estarei impossibilitado de participar da cerimônia de homenagem aos 20 anos  (completos no último 28 de maio) de minha carreira profissional por estar previamente comprometido com outra agenda.

Da mesma forma, o crítico mineiro Paulo Henrique Silva, do jornal Hoje em Dia, e o Conservador-chefe da Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Hernani Heffner – ambos convidados por mim para compor a mostra Espelho brasileiro – também não possuem mais disponibilidade para participarem do evento na nova data.

Desta forma, uma vez que a ideia da realização da mostra estava vinculada a homenagem, estou, em comum acordo com a produção do Cine-PE, cancelando a minha participação nesta edição do festival.

Ao aceitar o convite no início de abril para a homenagem, o entendi como reverência não apenas a mim mas aos profissionais da minha geração nesta área. Percebi também como uma possibilidade de participar de um espaço, cujo alcance é nacional, para colocar em primeiro plano a necessidade da crítica cinematográfica.

Necessidade não apenas num contexto cultural, mas também político. E não era de outra coisa de que se tratava a mostra idealizada por mim.

O Espelho brasileiro iria apresentar uma revisão de filmes nacionais realizados na primeira metade da década de 1980, momento em que o País respirava um ar oxigenado pela esperança do retorno à democracia, com o movimento “Diretas Já” após anos sob o regime instaurado pelo Golpe Militar de 1964. A dramaturgia do cinema brasileiro refletia isso, temática e esteticamente.

diretas

Hoje, a dramaturgia do cinema brasileiro obviamente também reflete seu atual momento, quando o País vivencia sob intensa inquietação da população diversas opções político-partidárias cujas posturas têm sido questionadas no que concerne à democracia e à legalidade.

É pelo contexto do comportamento de nossa população que isto ganhou reflexo em nosso cinema contemporâneo, com repercussão no mundo inteiro por obras como Que horas ela volta? (2015), de Anna Muylaert, ou Casa grande (2015), de Fellipe Gamarano Barbosa, além de O som ao redor (2013), Aquarius (2016), ambos de Kleber Mendonça Filho e, mais recentemente, Era o hotel Cambridge (2017), de Eliane Caffé.

Seria por essa perspectiva – da avaliação crítica de expressões artísticas -, que pretendíamos jogar luz sobre o cinema brasileiro de 35 anos atrás para, a partir dele, falarmos desse doente momento político em que estamos inseridos hoje.

Nesse contexto, a mostra Espelho brasileiro ainda tem todo sentido para acontecer e espero ter outra oportunidade para realizá-la como forma de tentar estabelecer um diálogo baseado na reflexão e não na assustadora polarização movida pelo ódio que estamos testemunhando no País.

Agradeço a BPE Produções pela proposta da homenagem e lamento por eventuais contratempos.

Obrigado, Luiz Joaquim”

Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this page
Fields marked with an * are required

assine e receba
novidades por email

Mais Recentes

Publicidade